SINDPRODEM ENTRA COM AÇÃO CONTRA O CARREFOUR APÓS DENÚNCIAS DE ASSÉDIO

O Sindprodem entrou com ação contra o grupo Carrefour depois que recebeu denúncias de assédio moral e discriminação por parte de promotores e funcionários..

Foi feita a denúncia de assédio moral e humilhação, que resultou em ação judicial n.º 10260.109662/2022-51, nela o sindicato declarou “que as situações de controle de saída e assédio moral, bem como o desvio de função dos promotores persistem em lojas da rede”, solicitando assim providências imediatas das lojas de São Paulo e Grande São Paulo.

O SINDPRODEM exigiu que os promotores e demonstradores, nas lojas do Carrefour, fossem “tratados com respeito e cordialidade, no desempenho das suas atividades determinadas pelas empresas que estes representem..” Isso porque, ao exigir que a trabalhadores da categoria cumpram horas extras, por exemplo, o Carrefour se esquece que estes trabalhadores não são seus contratados, o que impede qualquer controle de horário.

 

Resposta do Grupo Carrefour

 

O sindicato exige que grupo Carrefour se atente ao fato de que todos os promotores deverão usar EPIs nas atividades que exijam tal procedimento e pede a proíbição e averiguação de qualquer tipo de discriminação no ambiente de trabalho por motivos de raça, sexo, idade, necessidades especiais, opção sexual ou religião.

“Qual será o motivo para o Carrefour não respeitar os direitos dos trabalhadores? Temos denúncias diversas, que vão de ordens para esfregar chão até espancamento”, diz o presidente do Sindprodem Luiz Santos Souza, o Luizão

Mas, apesar das imposições jurídicas, absurdos continuam acontecendo nas lojas do Carrefour. O sindicato chegou denunciar a loja de Interlagos ao Ministério do Trabalho. Promotores foram mantidos em cárcere privado por dez horas, varando a madrugada, para trabalhar no balanço da loja, sob ameaça de expulsão dos trabalhadores de suas lojas. Esta situação colocou os promotores em situação delicada, pois eles poderiam ter perdido o emprego.

Em nota, o Carrefour disse que repudia “toda e qualquer situação de assédio moral e desrespeito. Contamos, ainda, com a Conexão Ética, um canal de denúncias para que qualquer situação que vá contra os princípios do Grupo seja reportada”.

 

Luiz Santos Souza, o Luizão do Sindprodem

Luiz Santos Souza, o Luizão do Sindprodem.

“O Carrefour agiu cinicamente, dizendo desconhecer os fatos alegados e afirmando ter canais de comunicação para apurar as denúncias. Temos que continuar lutando e denunciando estas práticas de assédio moral e humilhação”, disse Luizão

No que depender do Sindicato de Trabalhadores Promotores, Repositores e Demonstradores de Mershandising do Estado de São Paulo (Sindprodem), toda ação desrespeitosa aos diretos dos trabalhadores será denunciada.

ESTAMOS DE OLHO!

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 × dois =