Abaixo assinado: Vacinação urgente para a categoria de promotores de vendas

O Sindicato dos Trabalhadores Promotores, Repositores e Demonstradores de Merchandising e Vendas do Estado de São Paulo (SINDPRODEM) organiza um abaixo assinado para  que o governo de São Paulo inclua a categoria como prioritários no plano de vacinação contra a covid-19 no Estado.

Conversamos com o diretor do SINDPRODEM Djalma Sutero da Silva que organiza o abaixo assinado que diz: “Nossa categoria trabalha repondo os produtos nas prateleiras de todos os comércios e rede de supermercados em todo país, obtendo contato com os alimentos e que correm o risco de propagar e obter o risco do vírus de Covid 19 , portanto solicitamos que estes profissionais, entrem na lista de urgência e prioridades na vacina” afirma Djalma.

O diretor do Sindprodem Djalma Sutero da Silva

Hoje, o presidente do SINDPRODEM Luiz Santos Souza também pediu ao governo que desse prioridades aos profissionais do setor, justificando que os promotores mantiveram a escala de trabalho normalmente ao longo da pandemia, desde março de 2020 abastecendo gondolas e prateleiras de supermercados. De acordo com Luiz, os trabalhadores “estão na linha de frente do setor alimentício e expostos ao risco de contágio. Não há motivo para não serem priorizados neste momento”. “Aqui não teve home office”, pontua.

O sindicato através do diretor Djalma organiza via internet um abaixo assinado para que a categoria receba a vacina e será enviada para o ministério da saúde. A petição online foi aberta ontem 21 de janeiro. Para assinar, basta clicar no link http://bit.ly/3qI1X4T

4 thoughts on “Abaixo assinado: Vacinação urgente para a categoria de promotores de vendas

  • 22 de janeiro de 2021 em 14:59
    Permalink

    Precisamos dessa vacina tambem

    Resposta
  • 23 de janeiro de 2021 em 12:22
    Permalink

    Promotores, supervisores e coordenadores das indústrias/distribuidores devem sim ser vacinados pois estão diariamente colocando em risco sua vida e sua família, cumprindo roteiro, indo de loja em loja, cidade em cidade para fazer seu trabalho, sempre expostos ao contágio.

    Resposta
  • 24 de março de 2021 em 07:50
    Permalink

    Bom dia!
    Os trabalhadores dessa profissão em meia a pandemia em fase vermelha, deveriam tbm não estar trabalhando de home office claro, mas ter a carga horária reduzida para evitar ainda mais o contágio.Mas parece que as empresas só estão preocupadas com o quanto vão vender, sem priorizar a própria vida e saúde do seu colaborador. Minha opinião, Obrigada!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dois + doze =